“Solitária trajectória prá loucura…”

Solitária trajectória prá loucura

 

Não me fiz de um rumo certo

Nem deixei na estrada as marcas pró regresso.

Sempre que do longe se faz perto

Entorpeço, perco o norte e recomeço

 

Invento o mais ínvio lugar

No mais vil e torpe armadilhar de cada dia

E os segundos fazem-se horas pra chegar

No relógio, no propósito atrasado, pr` atrasar a`legria 

 

Em cada porta há trancas novas

Nas ombreiras velhas, como a velha vida

Disfarça-se o presente, como de escárnio as trovas

Enchendo de veneno a malga, de malvadez servida

 

E os rostos vestidos d` ódios

No falso amarelo, enraivecido dalguns risos

A subir, na cegueira, peito aos pódios

Na procura das medalhas, no zebre, oxidante dos sorrisos

Assim:

– Não me venham vender ruas

Nem me apontem o caminho da ternura.

Despenhei-me no precipício das luas

Na minha solitária trajectória prá loucura!

Anúncios

1 Comentário

  1. é verdade pá… que chatice, já viste se eu não tivesse sido jogador de hoquei… tchiiiii


Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s