“Assim fique em mim também…”

Já não encontro as palavras certas
E vivem os meus dias sem ter rasto
Andam minhas horas tão incertas
Na sincope das silabas que ora gasto

Todos os poemas já deixaram,
As rimas onde via o que não tive.
Todos os dilemas s`encontraram
No resto do que em mim ainda vive

Os sonhos já não ficam para a noite
Nem esperam uma musa inspirada.
Não há já um só verso que se afoite
Na folha nua e fria, abandonada

Morreu, assim morra eu também,
O rio que parecia não ter fim,
Ficou, assim fique em mim também,
A saudade, dessa saudade de mim!

Advertisements

Deixe um comentário

Ainda sem comentários.

Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s